O envelhecimento da populacao brasileira a nova transicao demografica

0
Rate this post

O “país do futuro” é como muitos brasileiros sempre imaginaram sua terra.

Uma ideia apoiada na prosperidade dos recursos naturais e na ideia de uma população jovem em flor que vai sustentar a economia e o crescimento do país. No entanto, a persistência dessa visão vai contra os padrões demográficos em rápida mudança.

Embora ainda seja um país relativamente jovem, o Brasil está envelhecendo progressivamente: de 1950 a 2015, a expectativa de vida ao nascer aumentou de 50,8 para 74,6 anos e a taxa de fecundidade caiu de 6,1 para 1,6 filhos por mulher.

O efeito dessas tendências fica ainda mais evidente se analisarmos a população acima de 60 anos: os idosos duplicaram em países de alta renda no espaço de um século, enquanto no Brasil essa mudança é esperada para os próximos 25 anos.

Essa transformação tem suas raízes em meados do século passado, quando os brasileiros fizeram uma mudança maciça do meio rural para o urbano: entre 1950 e 2018, a concentração urbana explodiu de 36,2% para 86,6% .

Entre os fatores mais importantes que explicam o rápido envelhecimento do país estão as mudanças culturais, principalmente no papel social desempenhado pelas mulheres, o retorno a um sistema democrático em 1989 (após 25 anos de regime militar) e o estabelecimento de um sistema previdenciário que garante o acesso à saúde e à assistência social.

Os inúmeros desdobramentos positivos

No entanto, não impediram o surgimento de grandes desafios: as mulheres brasileiras enfrentam altos índices de violência doméstica e o bem-estar social sofre com a desigualdade em termos de sexo, gênero, idade e renda. Em particular, a questão do envelhecimento com sua dinâmica agrega novos níveis de complexidade às políticas governamentais.

  • Graças à redação da Constituição em 1988, foi criado um sistema previdenciário que, segundo o Banco Mundial, faria do Brasil um país “pró-envelhecimento”, mas as políticas voltadas ao envelhecimento ainda são consideradas uma prioridade menor.
  • Trata-se de um setor significativamente subfinanciado, especialmente em relação a outras questões sociais: para a população idosa brasileira, da qual mais de 80% está concentrada em áreas urbanas, isso significa ter experiências piores no uso de serviços públicos.

Os inúmeros desdobramentos positivosDificuldade também encontrada por gestores e servidores públicos locais que ressaltam a necessidade de desenvolver maiores competências e uma abordagem inovadora do envelhecimento. Antonio Nogueira Leitão, do Instituto de Longevidade do Rio de Janeiro, conta isso em seu estudo publicado no Medium.

Leitão e sua equipe investigaram os desafios do envelhecimento nas cidades brasileiras a partir de uma pergunta: como medir as lacunas nas políticas sociais de apoio à terceira idade? A partir desse pressuposto, nasceu o primeiro projeto do programa “Cidade e longevidade”, baseado em uma ferramenta chamada IDL City Index com a qual é possível coletar dados relativos aos padrões de longevidade da cidade em todo o Brasil.

Em 2017, foram analisados ​​os dados relativos a 498 cidades brasileiras, investigando o grau de satisfação com saúde, bem-estar, finanças, trabalho e questões sensíveis às políticas assistenciais.

Os resultados destacaram atividades de promoção e apoio deficientes em questões relacionadas ao envelhecimento, mas também foram destacadas disparidades regionais significativas: as áreas de alta renda se destacaram tanto no desenvolvimento quanto na preparação para o envelhecimento em comparação com as áreas mais pobres.

  • Para sanar essas diferenças é necessário envolver as políticas locais e nesse sentido o Instituto da Longevidade lançou um curso de gestão pública da longevidade chamado “Treinamento GPL”.
  • Colaborando com o Ministério dos Direitos Humanos, que financiou integralmente o projeto, 47 executivos públicos participaram do Treinamento GPL para traçar novas políticas locais que estimulem a preparação para o envelhecimento e implementar serviços e atendimentos voltados para a terceira idade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui