Impactos de grandes projetos estruturadores na saúde da população nordestina é tema de discussão na 1ª CRDSS

Por Bruna Cruz

04/09/13 | 09:09

IMG_0231-2-peq

Participantes indicaram problemas
(Imagem: Ligia Vieira)

Segundo o pesquisador da ENSP/Fiocruz, Paulo Sabroza, que há cinco anos monitora o impacto da implantação do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), o modelo de desenvolvimento econômico atual reproduz o capital sem promover a inclusão. “Apenas as políticas públicas são capazes de reduzir as desigualdades e de reverter as situações”, declarou. Ele não acredita que os projetos vão deixar de acontecer. “Precisamos trabalhar na redução dos danos e nas alternativas para as pessoas interferirem”, complementou. Para Nogueira, a solução pode ser harmonizar os grandes empreendimentos com a questão ambiental. Para o secretário de Planejamento da Paraíba e presidente do Conselho Nacional de Secretários de Planejamento Gustavo Nogueira, qualquer intervenção pública traz um impacto decisivo para população, seja positivo ou não. “Os gestores devem observar isso sob a perspectiva da saúde e buscar condições de equilibrar ações apoiadas em políticas públicas de médio e longo prazo e que exigem recursos destacados”, comentou. Nogueira apresentou os aspectos positivos e negativos da Transposição do Rio São Francisco, que beneficiará, segundo o Governo Federal, 391 municípios de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará. O mediador dos debates, Paulo Guimarães, chefe do departamento Regional do BNDES, mencionou que a gestão pública também tem uma fragilidade em sua capacidade de gerir os grandes investimentos e seus impactos nos municípios e dificuldade de financiar esses empreendimentos. “O banco tem tido a preocupação de desenvolver uma política de atuação que vai além do financiamento: estimula a institucionalização do monitoramento dos projetos. Mas não é fácil pela falta de continuidade das gestões”, declarou. A visão da sociedade civil apresentada na sessão questionou o que seria um grande projeto para a população. Ângelo Zandre, da Cáritas Brasileira NE 2, mostrou que outras ações, como o Programa Um Milhão de Cisternas e a construção de sistemas produtivos, desenvolvidos, respectivamente, no semi-árido e com acampados e recém assentados, proporcionam impactos positivos na saúde e na qualidade de vida da população. “O investimento e os impactos são menores, mas bastante significativos que devemos considerar para fazer a comparação do que é realmente um grande projeto. Os promovidos pelo grande capital geram dependência. Os ditos pequenos geram autonomia”, provocou.  Zandre acredita que para mensurar os determinantes sociais e a sua relação com os impactos dos grandes projetos é preciso construir um desenvolvimento diferente, sustentável, solidário e territorial.

Citação Bibliográfica

Cruz B. Impactos de grandes projetos estruturadores na saúde da população nordestina é tema de discussão na 1ª CRDSS [Internet]. Recife (PE): Portal DSS Nordeste; 2013 Set 04. Disponível em: http://dssbr.org/site/2013/09/impactos-de-grandes-projetos-estruturadores-na-saude-da-populacao-nordestina-e-tema-de-discussao-na-1a-crdss/

Bruna Cruz

Bruna Cruz é jornalista

Deixe um comentário