Transferência condicional de renda e mortalidade em menores de cinco anos

Por Gabriela Lamarca e Mario Vettore

26/09/13 | 10:09

Indicadores do Observatório sobre este tema:
ind020104, ind020202, ind020203

É notável a redução da mortalidade em crianças menores de 5 anos nos últimos 15 anos no Brasil. Imagem: Fotolia

É notável a redução da mortalidade em crianças menores de 5 anos nos últimos 15 anos no Brasil. Imagem: Fotolia

É notável a redução da mortalidade em crianças menores de 5 anos nos últimos 15 anos no Brasil, principalmente as que resultam especificamente de causas associadas à pobreza, como desnutrição, diarreia e infecções respiratórias inferiores. O indicador 020202 do nosso Observatório, que tem como base os dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde, mostra que a mortalidade proporcional por doenças diarreicas agudas em menores de 5 anos de idade passou de 22% no ano de 2001 para 8% em 2009. Além disso, o indicador 020203 também aponta uma redução de aproximadamente 40% na mortalidade proporcional por infecções respiratórias agudas em menores de 5 anos entre os anos de 2001 e 2009.

Durante esse período o país passou por várias mudanças tanto em âmbito social como na saúde pública. Uma dessas mudanças foi a implementação, em 2003, de um programa de transferência condicional de renda: o ‘Bolsa Família’, que se originou da fusão de quatro outros programas sociais nacionais preexistentes (o Bolsa Escola, o Auxílio Gás, o Bolsa Alimentação e o Cartão Alimentação).

O Programa Bolsa Família (PBF) beneficia famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza*1, e as condições exigidas para o recebimento do benefício do programa incentivam o uso de serviços públicos como saúde, educação e proteção social, além de combater à fome, promover a segurança alimentar e nutricional, e incentivar à capacitação sustentável dessas famílias. Atualmente, o PBF contempla 13,8 milhões de famílias com pagamento mensal de valores que variam de R$ 32 a R$ 306 por mês, dependendo do rendimento e da composição da família.

Em função da redução acentuada da mortalidade por diarreia (46,3%), má nutrição (58,2%) e infecções respiratórias inferiores (27,0%) entre 2004 e 2009, pesquisadores do Instituto de Saúde Coletiva, da Universidade Federal da Bahia, se interessaram no possível efeito da transferência condicional de renda do PBF sobre a mortalidade de crianças menores de 5 anos por essas causas associadas à pobreza. Os pesquisadores tinham como objetivo entender se uma pequena quantia de dinheiro poderia modificar as chances de sobrevivência das crianças. Para isso, analisaram dados sobre mortalidade específica em crianças menores de 5 anos em 2.853 (de 5.565) municípios no período de 2004 a 2009.

Como a cobertura do Programa de Saúde da Família (PSF) tem aumentado continuamente, atingindo 75,0% dos municípios em 2009, é evidente que seja considerado como um dos fatores responsáveis pela redução substancial da mortalidade entre os menores de 5 anos de idade. A possível influência das melhorias nas condições socioeconômicas também, pois o aumento da renda favorece o acesso aos alimentos e a outros bens relacionados com a saúde, bem como o próprio o acesso aos serviços de saúde.

Entretanto, os autores revelam que o efeito do PBF sobre a redução da mortalidade em menores de 5 anos foi maior do que as condições socioeconômicas e o PSF.  Na verdade, eles explicam que o aumento da duração e da cobertura do PSF reforçam o efeito do PBF. Consideram que há na verdade um efeito conjunto entre a transferência condicional de renda do PBF e a participação no sistema de cuidados à saúde (PSF) na redução da mortalidade infantil com causas relacionadas à pobreza.

Os mecanismos de ação associados a essa redução agem sobre os determinantes sociais da saúde e estimulam os cuidados à saúde, como o aumento do uso de serviços preventivos em crianças e mulheres grávidas, como ter a vacinação em dia, explicam os pesquisadores. No entanto, reforçam que para entender como a quantidade relativamente pequena de dinheiro fornecido pelo PBF pode ter um efeito sobre a saúde dos beneficiários, deve-se ter em mente que essa quantidade é proporcional à vulnerabilidade econômica das famílias, e que a associação entre renda e saúde não é linear. Mesmo uma pequena quantidade de dinheiro, dada a famílias extremamente pobres, pode ter um efeito sobre a saúde da criança, aumentando a sobrevida, através da redução da desnutrição e da melhoria nas condições de moradia, avaliou Maurício Barreto, mestre em saúde comunitária e professor titular em epidemiologia do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Os autores esperam que os resultados desse estudo contribuam para o debate  sobre a relação entre as políticas sociais distributivas e as condições de  saúde da população. Além disso, consideramos que uma análise por macrorregião deva ser feita porque os indicadores 020202  e 020203 do nosso Observatório mostram que ainda existem diferenças regionais expressivas em relação às mortes relacionadas à diarreia e infecções respiratórias inferiores entre os menores de 5 anos de idade. Somados ao fato de que as regiões Norte e Nordeste possuem a maior concentração de pessoas em situação de extrema pobreza (2,65 e 9,6 milhões de pessoas, respectivamente), segundo o IBGE. Em 2009, nas regiões Norte e Nordeste a proporção de mortalidade específica por doenças diarreicas agudas em menores de 5 anos de idade foi de 18,3% e 11,8%, respectivamente, enquanto na região Sudeste não passou de 3,5%. Há variações regionais também em relação à mortalidade específica por infecções respiratórias agudas. Enquanto essa proporção foi de 32,2% no ano de 2009 na região Norte, a região Sul apresentou uma proporção de 12,3% e a Sudeste de 14,6%.

Apesar do PBF e do PSF apresentarem uma associação dose-resposta significativa com a diminuição da taxa de mortalidade em menores de 5 anos, outro aspecto importante é que parte da queda  observada entre os municípios variou com a cobertura do PBF. Neste estudo ecológico da UFBA, os municípios onde havia mais pessoas beneficiadas pelo PBF houve também maior redução da mortalidade infantil em menores de 5 anos. É possível especular que, em 2004, os municípios com maior número de beneficiários eram aqueles com maiores taxas mortalidade infantil. Segundo IBGE (2010), 53,3% de domicílios participantes do PBF estava na região Nordeste e 7,8% na região Sul. Essas são regiões que apresentaram em 2009 uma taxa de mortalidade proporcional em menores de 1 ano (indicador 020104) de 17% e 11%, respectivamente. Ou seja, a região Nordeste além de possuir uma proporção maior de beneficiários também possui as maiores taxas de mortalidade infantil. Assim, deve-se considerar ainda as diferenças nas taxas de mortalidade infantil em menores de 5 anos no início do período entre as regiões, que pode explicar, ao menos parte, a maior redução da mortalidade infantil na região Nordeste. Isto porque, a redução de uma taxa percentual em certo intervalo de tempo tende a ser maior quanto maior for o valor da mesma no início do período.

Os resultados deste estudo oferecem evidências de que uma abordagem multissetorial pode reduzir substancialmente a mortalidade infantil por causas relacionadas à pobreza em um país de classe predominantemente média como o Brasil. Os autores sugerem que a combinação de um programa de transferência condicional de renda em grande escala e cuidados primários de saúde, tem potencial para atuar em importantes determinantes sociais de saúde e deve ser capaz de atender de maneira eficaz as demandas básicas de saúde da mesma população.

*1 Extrema pobreza – Renda per capita de até R$70,00 por mês, ou pouco mais de R$2,00 por dia.

 

Referências Bibliográficas

Auxilio Gás. In: Wikipédia: a enciclopédia livre. [acesso em 24 maio 2013]. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Aux%C3%ADlio_G%C3%A1s

Bolsa-Escola. In: Wikipédia: a enciclopédia livre. [acesso em 24 maio 2013]. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Bolsa_Escola

How to get children out of jobs and into school: The limits of Brazil’s much admired and emulated anti-poverty programme [Internet]. The Economist; 2010 Jul 29 [acesso em 24 maio 2013]. Disponível em: http://www.economist.com/node/16690887

Ind020104 – Taxa de mortalidade infantil, por ano, segundo região e escolaridade da mãe [Internet]. Rio de Janeiro: Portal Determinantes Sociais da Saúde. Observatório sobre Iniquidades em Saúde. CEPI-DSS/ENSP/FIOCRUZ; 2012 Jan 30 [acesso em 24 maio 2013]. Disponível em: http://dssbr.org/site/wp-content/uploads/2012/03/Ind020104-20120130.pdf

Ind020202 – Taxa de mortalidade específica por doenças diarreicas agudas em menores de 5 anos de idade, por ano, segundo região [Internet]. Rio de Janeiro: Portal Determinantes Sociais da Saúde. Observatório sobre Iniquidades em Saúde. CEPI-DSS/ENSP/FIOCRUZ; 2012 Jan 30 [acesso em 24 maio 2013]. Disponível em: http://dssbr.org/site/wp-content/uploads/2012/03/Ind020202-20120130.pdf

Ind020203 – Taxa de mortalidade específica por infecções respiratórias agudas em menores de 5 anos de idade, por ano, segundo região [Internet]. Rio de Janeiro: Portal Determinantes Sociais da Saúde. Observatório sobre Iniquidades em Saúde. CEPI-DSS/ENSP/FIOCRUZ; 2012 Jan 30 [acesso em 24 maio 2013]. Disponível em: http://dssbr.org/site/wp-content/uploads/2012/03/Ind020203-20120130.pdf

Layton ML. Quem se beneficia do Bolsa Família? Perspectivas a partir do barômetro das Américas. 2010; n. 47 [acesso em 24 maio 2013]. Disponível em: http://www.vanderbilt.edu/lapop/insights/I0847.po.pdf

Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Secretaria de Avaliação e Gestão da  Informação. Análise da sub-declaração do recebimento de Benefícios pelo Programa Bolsa Família (PBF) e/ou Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) no Censo Demográfico 2010. Brasília (DF); 2012 [acesso em 24 maio 2013]. (Estudo Técnico, n.º 10/2012). Disponível em: http://aplicacoes.mds.gov.br/sagirmps/simulacao/estudos_tecnicos/pdf/ETEC-10-2012%20Ana_lise%20da%20subdeclarac_a_o%20do%20recebimento%20de%20benefi_cios%20do%20PBF%20no%20Censo%20Demogra_fico%202010

Rasella D, Aquino R, Santos CA, Paes-Sousa R, Barreto ML. Effect of a conditional cash transfer programme on childhood mortality: a nationwide analysis of Brazilian municipalities. Lancet. 2013 May 14. pii: S0140-6736(13)60715-1. doi: 10.1016/S0140-6736(13)60715-1. [Epub ahead of print]

Valores dos Benefícios [Internet]. Brasília (DF): MDS.gov.br. [acesso em 24 maio 2013]. Disponível em: http://www.mds.gov.br/bolsafamilia/valores-dos-beneficios

 

 

Citação Bibliográfica

Lamarca G, Vettore M. Transferência condicional de renda e mortalidade em menores de cinco anos [Internet]. Rio de Janeiro: Portal DSS Brasil; 2013 Set 26. Disponível em: http://dssbr.org/site/?p=14893&preview=true

Gabriela Lamarca e Mario Vettore

Gabriela de A. Lamarca. Odontóloga, Mestre em Psicologia Social, Doutora em Epidemiologia em Saúde Pública.
Mario Vianna Vettore. Odontólogo, Mestre em Odontologia, Doutor em Saúde Pública.

Deixe um comentário