Pesquisadores identificam riscos para a saúde resultantes da seca no Semiárido

Por Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz)

28/07/17 | 14:07

Pesquisadores da Fiocruz, junto a pesquisadores das universidades de Washington (EUA) e de Canberra (Austrália), lançaram um informe sobre vulnerabilidades, exposições, perigos e riscos para a saúde, resultante das secas para 1.135 municípios em nove estados do Semiárido Brasileiro (Alagoas, Bahia, Ceará, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe). O estudo mostra que os municípios do Semiárido têm condições menos favoráveis nas dimensões sociais, ambientais, econômicas e de saúde, quando comparados com os demais municípios do país. E ainda, dentro dos próprios estados, os municípios no Semiárido apresentam condições mais adversas que os municípios fora desta região, no mesmo estado.

“O estudo toma dados básicos e utiliza os conceitos de risco de desastre em função das exposições, das vulnerabilidades e dos perigos que enfrentam as comunidades no Semiárido, para construção de um índice com a finalidade de apoiar a tomada de decisões”, comentou a pesquisadora Aderita Sena, autora principal do estudo. O projeto faz parte do trabalho do Observatório de Clima e Saúde da Fiocruz, liderado pelo pesquisador Christovam Barcellos. “A seca é um problema recorrente nessa região”, afirma Barcellos, “mas a nossa preocupação é que as mudanças climáticas farão essa situação muito pior”, acrescenta o pesquisador.

A situação das populações do Semiárido é difícil, e programas de transferência de renda ajudam que as famílias suportem os meses mais difíceis sem migrar, evitando a desagregação do núcleo familar. Neste sentido, “são importantes ações para a redução de vulnerabilidades e a construção de resiliência, não somente voltadas para a população, mas também para o próprio setor da saúde”, comenta a pesquisadora Aderita Sena.

Além dos pesquisadores citados, participaram da pesquisa Kristie Ebi, da Universidade de Washington (EUA), Carlos Machado de Freitas, da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) e Carlos Corvalan, da Universidade de Canberra (Austrália).

O estudo “Indicators to measure risk of disaster associated with drought: Implications for the health sector” está publicado na revista PlosOne.

 

Fotos: Creative Commons | Montagem: Graça Portela (Ascom / Icict / Fiocruz)

 

Fonte: Pesquisadores identificam riscos para a saúde resultantes da seca no Semiárido. Rio de Janeiro: Icict/Fiocruz; 2017 Jul 26. [acesso em 28 jul 2017]. Disponível em: http://www.icict.fiocruz.br/content/pesquisadores-identificam-riscos-para-sa%C3%BAde-resultantes-da-seca-no-semi%C3%A1rido

Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz)

Deixe um comentário