América Latina e Caribe precisam crescer 4% ao ano para eliminar pobreza

Por ONU News

28/10/20 | 16:10

Novo relatório da Cepal, a Comissão Econômica para a região, pede ação urgente para responder a crise causada pela Covid-19 e resolver problemas estruturais; 38º encontro anual da Comissão termina esta quarta-feira.

A economia da América Latina e do Caribe precisa crescer pelo menos 4% ao ano e realizar uma forte redistribuição de renda, cerca de 3% do PIB anual, para eliminar a pobreza até 2030.

Esta é uma das conclusões do estudo “Construindo um Novo Futuro: Recuperação Transformativa com Igualdade e Sustentabilidade” da Comissão Econômica para América Latina e Caribe, Cepal.

Ação

A pesquisa foi apresentada pela secretária-executiva da entidade, Alicia Bárcena, durante o 38º encontro anual da Comissão, que termina esta quarta-feira.

A pesquisa destaca problemas de crescimento, desigualdade e ambientais que têm gerado polarização, conflito e perda de confiança na democracia. Todos os problemas foram agravados pela pandemia de Covid-19.

Para resolver essas dificuldades, Alicia Bárcena diz que que existe “necessidade de ação urgente”, com um conjunto de políticas que respondem à gravidade do momento, mas também resolvem problemas estruturais.

Segundo a chefe da Cepal, “a região está passando por uma mudança de era que envolve processos incertos, longos e complexos de transformação estrutural, que estão revolucionando a base tecnológica e as formas de produzir, distribuir, habitar, consumir, acumular, pensar e conviver.”

Mudanças

Para enfrentar essa mudança, a Cepal propõe um grande impulso à sustentabilidade abrangendo as três dimensões do desenvolvimento sustentável: econômica, social e ambiental.

A pesquisa apresenta medidas de recuperação e desenvolvimento orientadas para um Estado de bem-estar inclusivo e uma transformação produtiva com mudança tecnológica e sustentabilidade ambiental.

Esse esforço deve ser sustentado por uma transição energética e pela difusão de tecnologias ambientais, procurando combater a desigualdade sem destruir os ecossistemas e comprometer os direitos das gerações futuras.

Segundo a pesquisa, a recuperação pós-pandemia precisa de pactos sociais com a participação de todos os setores e grupos sociais. Ao mesmo tempo, novas formas de governança são propostas para o fornecimento de bens públicos, como acesso universal à saúde, segurança climática, estabilidade financeira, paz e proteção dos direitos humanos.

Desigualdade

O estudo também alerta para uma dupla assimetria ambiental.

A América Latina e o Caribe produzem uma pequena porcentagem das emissões globais, mas é altamente afetada por seu impacto. Ao mesmo tempo, as camadas mais pobres da população, que poluem menos, são as mais atingidas.

O documento sugere focar a atenção em sete setores: matriz energética, eletromobilidade urbana, revolução digital, indústria de manufatura de saúde, bioeconomia, economia circular e turismo sustentável.

Para terminar, Alicia Bárcena afirmou que “responder a encruzilhada civilizatória da região é a tarefa comum e urgente que existe pela frente.” Segundo ela, “se coalizões forem construídas e pactos alcançados, essa mudança estará mais perto do que nunca.”

Declaração

Durante o encontro virtual da Cepal, que começou na segunda-feira, os ministros das Relações Exteriores e autoridades de alto nível dos países da região assinaram uma nova declaração política.

No documento, os representantes expressam sua visão comum de que a solidariedade financeira internacional, o multilateralismo renovado e o fortalecimento da integração regional são urgentes para uma recuperação pós-Covid-19 com igualdade e sustentabilidade.

Previsões

Segundo o último relatório econômico da Cepal, publicado a 15 de outubro, a América Latina e o Caribe enfrentam a pior crise dos últimos 100 anos, com efeitos e consequências sanitárias, econômicas, sociais e políticas que se prolongarão no médio prazo.

O PIB da região cairá 9,1% em 2020 e 2,7 milhões de empresas devem fechar. O desemprego atinge 44 milhões de pessoas e prevê-se um retrocesso de 15 anos.

A Cepal diz que 231 milhões de pessoas vivem na pobreza em 2020, juntamente com um retrocesso de 30 anos no que diz respeito à pobreza extrema, cerca de 96 milhões de pessoas.

*Foto da home: Opas/Karina Zambrana

Fonte: ONU News. América Latina e Caribe precisam crescer 4% ao ano para eliminar pobreza [Internet]. ONU News; 2020. [atualizado 2020 out. 28; citado em 2020 out. 28]. Disponível em: https://news.un.org/pt/story/2020/10/1731002

ONU News

Deixe um comentário