Arquivo de Entrevistas

RAONI-MADDALENA

As cidades, o mosquito e as reformas

Tão urgente quanto a reforma política e tributária, o debate sobre a reforma urbana subiu ao topo da agenda em meio à séria crise de saúde pública causada pela infestação do mosquito Aedes aegypti, transmissor do zika e do chikungunya, além dos vírus causadores da dengue e da febre amarela. Um olhar para além da saúde pública se faz necessário para entender o que nos faz conviver com esse mosquito há décadas. Para tratar da complexidade do tema, a pesquisa Região e Redes ouviu a professora livre docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP), Ermínia Maricato. Além de estudiosa do tema, Maricato formulou a proposta de criação do Estatuto das Cidades e do Ministério das Cidades.

Entrevista com Ermínia Maricato por Região e Redes | 21/03/16 - 15:03 | [Leia Mais] |

Léo Heller

Melhoramento dos serviços de água e saneamento é a resposta ao Zika vírus, diz Léo Heller

De maneira clara e contundente, Léo Heller, Relator Especial sobre o direito humano à água potável e ao saneamento da Organização das Nações Unidas, reforça o quanto os problemas sociais relacionados ao acesso à água potável de maneira correta e ao saneamento são fundamentais para a erradicação do mosquito Aedes aegypti, impedindo assim a transmissão de vírus, como os do chikungunya, da dengue e do Zika. “Podemos criar mosquitos estéreis ou utilizar ferramentas da Internet para mapear dados dos vários quadrantes do mundo, mas não devemos esquecer que, atualmente, há cem milhões de pessoas na América Latina que ainda carecem de acesso a sistemas de saneamento higiênicos, e setenta milhões de pessoas que não têm água encanada em seus terrenos ou dentro de suas residências”.

Entrevista com Léo Heller por Abrasco | 14/03/16 - 17:03 | [Leia Mais] | 1 Comentário »

Lia-Giraldo11-320x297

Combate ao Aedes aegypti pode ser mais nocivo ao humano do que ao mosquito. Entrevista especial com Lia Giraldo da Silva Augusto

O clima de guerra contra a Dengue, Chikungunia e Zika Vírus no país não tem tem sido efetivo nos programas de controle do mosquito vetor dessas doenças. Essa é a opinião da pesquisadora e professora Lia Giraldo da Silva Augusto. Em entrevista a pesquisadora, que atua principalmente na área da saúde coletiva, ressalta que a ideia da guerra abre portas para um “vale tudo” no combate ao mosquito, como o uso de venenos como o Malathion, nocivo aos seres humanos e ao meio ambiente como um todo.

Entrevista com Lia Giraldo da Silva Augusto por IHU On-Line | 16/02/16 - 16:02 | [Leia Mais] |

Números não bastam: pesquisadoras falam sobre determinantes intangíveis da saúde

As pesquisadoras da ENSP Fátima Pivetta e Lenira Zancan voltam seus ouvidos no trabalho Morar em Favela e a determinação social da saúde: reflexões acerca das invisibilidades. A pesquisa, que conta com a coautoria de Marize Bastos da Cunha e Marcelo Firpo, também da ENSP, e Jairo Dias de Freitas, da Escola Politécnica em saúde Joaquim Venâncio, foi apresentada durante o 11° Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva realizado em Goiânia.
Para falar do invisível, foi necessário que surgisse o volátil conceito de determinantes intangíveis. Foi esse conceito o centro da conversa com Fátima Pivetta e Lenira Zancan, feita depois da apresentação das duas no Abrascão.

Entrevista com Fátima Pivetta e Lenira Zancan / Informe ENSP | 07/01/16 - 11:01 | [Leia Mais] |

HERMANOCASTRO

Hermano Castro avalia participação da ENSP no 11º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva

Diretor da ENSP, Hermano Castro, traçou um panorama do 11º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, realizado em Goiânia, entre 28 de agosto e 1º de setembro. “Houve reflexão e debate sobre o campo do planejamento, da gestão, dos estudos epidemiológicos, da vigilância, entre muitos outros. A ENSP esteve presente em praticamente todas essas discussões. Foi bastante reforçado, dentro do debate, a importância de se lutar por um SUS público e nacional, com uma política de reversão da privatização. Uma outra questão que foi reforçada: a importância da formação e da carreira dentro do Sistema Único de Saúde. Várias mesas abordaram o tema da força de trabalho, do reconhecimento do trabalho no SUS”,disse Hermano.

Entrevista com Hermano Castro | 14/08/15 - 10:08 | [Leia Mais] |

Andreia Setti, do Projeto Bocaina/ Foto: arquivo pessoal

DSS no território local: O Projeto Bocaina trabalhando em prol da saúde e da sustentabilidade

Iniciado no ano de 2009 o Projeto Bocaina (PB), uma pesquisa-ação que tem foco em ações estruturais e estruturantes de promoção da saúde e de sustentabilidade socioambiental integradas à agenda das comunidades tradicionais, do Mosaico Bocaina mantém-se como um modelo de ação em prol da sustentabilidade e da saúde em no território local. Em entrevista ao portal DSS Brasil Andréia Faraoni Freitas Setti, pesquisadora do Observatório de Territórios Sustentáveis e Saudáveis da Bocaina/ Fiocruz ressalta que o envolvimento da comunidade é crucial para o sucesso de pesquisas e iniciativas que agreguem desenvolvimento sustentável e promoção da saúde. “O fortalecimento da capacidade das comunidades tradicionais para participarem nas decisões que afetam sua vida é um pressuposto para implementação da agenda Territórios Sustentáveis e Saudáveis no Mosaico Bocaina e tem como objetivos promover a equidade, a autonomia e a sustentabilidade, bem como consolidar a cidadania como pré-requisito para a ação transformadora”, ressaltou Andréia.

Entrevista com Andréia Faraoni Freitas Setti, concedida à Jaqueline Pimentel | 01/07/15 - 13:07 | [Leia Mais] | 1 Comentário »

Pesquisador fala sobre projeto do LabMep/ENSP

DSS no território local: Luciano Toledo fala do monitoramento da situação de saúde no entorno do Comperj

Pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca fala a respeito do projeto destacado na entrevista de Paulo Sabroza e na materia publicada na sessão “Notícias” deste portal. O início do monitoramento da situação de saúde no entorno do Comperj data de 2008. “No passado o monitoramento específico de certos agravos em saúde não era suficiente para dar conta de demonstrar toda a complexidade dos impactos sócio sanitários derivados da implantação de grandes empreendimentos. A ideia hoje é se abandonar esse velho modelo que trabalha com o monitoramento exclusivo de agravos específicos, passando-se a um monitoramento mais abrangente e diversificado, que contemple um conjunto de problemas de saúde, e que leve em consideração outros fatores mediadores”, destacou ele. Acesse e confira.

Entrevista com Luciano Toledo, concedida à Jaqueline Pimentel | 10/06/15 - 16:06 | [Leia Mais] |