Arquivo de Entrevistas

maria jose

DSS no território local: a importância do mapeamento da tuberculose em Itaboraí

Em entrevista concedida ao Portal DSS Brasil, Maria José Fernandes Pereira, da Coordenação de Tuberculose do Município de Itaboraí, fala sobre a Elaboração de metodologia para análise das iniquidades em saúde relacionadas às populações vulneráveis na área do município de Itaboraí, estudo do pesquisador Pedro Alves Filho, realizado através do Centro de Estudo Políticas e Informação sobre Determinantes Sociais da Saúde (CEPI DSS). “O Comperj colocou os holofotes sobre a região e especificamente sobre Itaboraí. Nunca se experimentou algo de tamanha natureza”, disse ela. “Não é só a doença que o doente traz. Ele traz a sua história, suas relações sociais, econômicas, culturais, além do seu sofrimento e temos de estar preparados para compreender a realidade”, completou. Confira a entrevista.

Entrevista com Maria José Fernandes Pereira, concedida à Jaqueline Pimentel | 29/05/15 - 15:05 | [Leia Mais] | 3 Comentários »

maria_carmo_leal

Série (3): Entrevista com Maria do Carmo Leal, coordenadora geral da pesquisa “Nascer no Brasil”

Dando continuidade a série que vem sendo publicada neste portal, sobre a pesquisa “Nascer no Brasil”, publicamos uma entrevista com Maria do Carmo Leal, coordenadora do estudo. Ela nos fala sobre: a preparação da equipe de pesquisadores para sua realização, o que foi revelado por ele, a interferência dos Determinantes Sociais da Saúde no cenário encontrado e do que precisa ser feito para a melhora da realidade registrada. “Não é fácil mudar práticas clínicas arraigadas ao cotidiano da atenção dos profissionais de saúde, mas ocorre, já temos algumas experiências bem sucedidas no Brasil, como no caso da substituição da hidratação venosa pela oral, dentre outras. Com tantos movimentos em curso, tenho esperança que já estejamos dentro de um processo de mudança”, ressaltou ela. Confira aqui.

Entrevista com Maria do Carmo Leal | 02/04/15 - 17:04 | [Leia Mais] | 1 Comentário »

Município de Itaboraí/ Imagem: Google

Geoprocessamento à serviço da saúde

Em entrevista sobre o projeto da metodologia de monitoramento de situação de saúde em Itaboraí (entorno do Comperj) o pesquisador Anselmo Romão destaca a importância do uso do geoprocessamento na aferição da situação de saúde de uma região. “A possibilidade do uso conjugado dos sistemas de informações em saúde, e de base de dados georreferenciadas amplia a interface entre a epidemiologia e geoprocessamento, possibilitando cada vez mais a interação entre esses dois ramos do conhecimento”. Ele cita ainda o tipo de situação que esta pesquisa permite identificar, destacando a funcionalidade da mesma para a gestão de saúde local.

Entrevista com Anselmo Romão, concedida à Jaqueline Pimentel | 11/02/15 - 13:02 | [Leia Mais] | 2 Comentários »

Pedro Alves Filho

Entrevista com Pedro Alves Filho: Pesquisador desenvolve metodologia de monitoramento de saúde no entorno do Comperj

Pesquisador fala da Elaboração de metodologia para análise das iniquidades em saúde relacionadas às populações vulneráveis na área do município de Itaboraí que vem desenvolvendo. O estudo, iniciado sob a coordenação do pesquisador Alberto Pellegrini Filho, que aposentou-se na coordenação do CEPI DSS e hoje sob a orientação da pesquisadora Patrícia Tavares Ribeiro, atual coordenadora, analisa os impactos nas condições de vida da população local. Pedro Alves Filho fala sobre como obras de grande dimensão geram mudanças e afetam o meio ambiente e a vida da população de múltiplas formas, o que inclui fatores que contribuem para o surgimento de complicações de saúde. “O monitoramento analítico do quadro de morbimortalidade, no município de Itaboraí e entorno do Comperj, visa contribuir para o entendimento, análise e monitoramento das iniquidades em saúde, assim como na proposição de estratégias para minimização de riscos de adoecimento e de morte que eventualmente possam emergir no decorrer do processo de implantação e consolidação do Complexo Petroquímico”, destacou ele.

Entrevista com Pedro Alves Filho | 14/11/14 - 16:11 | [Leia Mais] | 1 Comentário »

Denise Barros/ Foto: Informe ENSP

Série sobre agrotóxicos (4): Nutrição e agrotóxicos. O que levamos para nossa mesa?

Série sobre agrotóxicos fala hoje sobre a relação entre os pesticidas e aquilo que vai para a mesa dos brasileiros. Denise Barros, nutricionista e pesquisadora da ENSP, explica os danos que os agroquímicos podem trazer aos alimentos e consequentemente à saúde de quem os consome. Além disso aborda a importância do incentivo a alternativas saudáveis de produção agrícola, a exemplo da produção dos orgânicos. “A agricultura familiar tem sido muito estimulada pelo importante papel na economia do país, revaloriza a vida social do campo e do trabalho rural. Ela melhora a renda e consequentemente a alimentação e o acesso a bens e serviços. Somado a isso a agricultura familiar é menos mecanizada e mais humanizada permitindo o uso de recursos naturais no controle das pragas e da nutrição das terras para plantio, resultando em colheitas de alimentos mais saudáveis e livres de agrotóxicos”, destaca ela.

Entrevista com Denise Barros, concedida à Jaqueline Pimentel | 17/10/14 - 13:10 | [Leia Mais] |

Áudio traz entrevista gravada, na íntegra.

Série sobre agrotóxicos (3): A regulação, fiscalização e normatização do uso de agrotóxicos no Brasil

Pesquisador do CESTEH/ENSP/Fiocruz fala sobre a regulação, a fiscalização e a análise técnica sobre os agrotóxicos. Como funciona o registro no Brasil e quais são as diferenças no processo de análise dos compostos e sua aprovação em outros países? “Quando falamos no uso e comércio de agrotóxicos, esse papel de fiscalização passa a ser feito pelos governos estaduais. Pode ser feito pelas secretarias de Agricultura, Saúde ou Meio Ambiente. Está em um desses órgãos ou os três fazem. Tem uma variabilidade muito grande em relação à como eles atuam no nível estadual que é fiscalizar o uso. Se estão utilizando os equipamentos de proteção, se o rótulo está de acordo com o que foi aprovado nos órgãos de registros”, explica o pesquisador. Criação da Agência Nacional de Agroquímicos e Fitossanitários, a hipótese de reavaliação dos compostos e ainda a infraestrutura e o suporte técnico necessários para viabilizar a regulação de maneira correta foram questões levantadas durante a entrevista concedida ao portal.

Entrevista com Luiz Cláudio Meirelles, concedida à Jaqueline Pimentel | 10/10/14 - 12:10 | [Leia Mais] | 1 Comentário »

Violência: ‘quanto maior a coesão, menor a coerção’

A imagem do adolescente negro, nu, preso com uma trava de bicicleta a um poste em um bairro da Zona Sul carioca, custa a sair da memória. O episódio ocorreu […]

Entrevista com Maria Cecília de Souza Minayo por Revista Radis | 30/09/14 - 16:09 | [Leia Mais] |