Notícias sobre Determinantes Sociais da Saúde

Programação do evento

Clique na programação do evento abaixo: Programação em Português Programación Program

Por Equipe Editorial do Portal DSS Brasil | 28/10/15 - 22:10 | [Leia Mais] | 4 Comentários »

Termos de Referência

Termo de Referência em Português Termo de Referência em Espanhol (Términos de Referencia)

Por Equipe Editorial do Portal DSS Brasil | 28/10/15 - 22:10 | [Leia Mais] | 4 Comentários »

O conceito bem-estar e as políticas sociais em avaliação

O ‘mundo ideal’ é aquele que o indivíduo mantém em nível elevado sua satisfação com a vida, tendo muitas experiências emocionais positivas e poucas negativas. No entanto, pouco se sabe sobre o processo que sustenta essa condição de bem-estar elevado, e isso ocorre, principalmente, devido a uma característica: a subjetividade. O conceito de bem-estar subjetivo (BES), conforme descrito na literatura, engloba a satisfação com a vida e a felicidade, e representa um indicador de qualidade de vida que tem interessado cada vez mais os institutos de pesquisa e o mundo acadêmico. No entanto, apesar de uma crescente tendência da coleta de dados sobre bem-estar, a variação do método empregado para sua avaliação tem gerado resultados frágeis. Essa falta de consistência, além de restringir a comparabilidade entre os achados dos estudos, limita a qualidade das evidências e influencia negativamente a formulação e implementação de políticas sociais.

Por Gabriela Lamarca e Mario Vettore | 22/10/15 - 17:10 | [Leia Mais] |

CAPAPNS

Apontamentos da PNS: pesquisa revela dados de saúde ligados aos hábitos de vida da população e aponta disparidades relacionadas à escolaridade e gênero

Divulgada em três volumes, a Pesquisa Nacional de Saúde 2013, mais recente realizada, traçou um panorama da saúde do brasileiro, através da observação de diversos fatores. O inquérito observou que, havia no Brasil 146,3 milhões de pessoas com 18 anos de idade ou mais. Deste total de indivíduos, 66,1% avaliaram sua saúde como boa e muito boa. Distinguindo por gênero, a porcentagem de homens que fez esta avaliação chegou a 70,3% e a de mulheres a 62,4. Observou-se ainda que, as pessoas com maior grau de escolaridade avaliaram melhor suas condições de saúde. Entre pessoas sem instrução ou com ensino fundamental incompleto 49,2% avaliaram a própria saúde como boa ou muito boa, já no grupo com ensino superior completo, esta avaliação alcançou 84,1% de pessoas.

Por Jaqueline Pimentel | 13/10/15 - 15:10 | [Leia Mais] |

Melhorias no perfil de saúde populacional são acompanhadas por reduções das iniquidades sociais?

Algumas condições de saúde melhoraram no Brasil nos últimos 30 anos. A mortalidade infantil, por exemplo, diminuiu 4,4% ao ano entre 2000 e 2008. Desde 1975, a redução global foi de 86%, e isso ocorreu mais pronunciadamente nas populações mais pobres. O mesmo ocorreu em relação ao estado nutricional de crianças, onde aquelas da classe social mais baixa apresentaram uma melhora significativa em comparação com as de classe social mais alta. Especialmente no que diz respeito à cárie dentária, houve uma redução bastante drástica na maioria dos países industrializados, assim como no Brasil. Apesar dos bons resultados, pouco se sabe se essas melhorias em saúde foram acompanhadas também pela redução das desigualdades sociais em saúde.

Por Gabriela Lamarca e Mario Vettore | 06/10/15 - 13:10 | [Leia Mais] |

Fiocruz realiza debates sobre comunicação, informação e democracia nos dias 29 e 30/9

Qual é o papel da comunicação e da informação para a democracia e o direito à saúde? Como garantir o direito à comunicação e à informação em saúde e nos espaços de participação social, como Conselhos e Conferências? De que maneira a intersetorialidade pode contribuir para a formulação de políticas públicas? Visando debater essas e outras questões o Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Icict/Fiocruz) realiza o I Diálogo PenseSUS – Democracia, comunicação, informação e direito à saúde: mobilização para a 15ª Conferência Nacional de Saúde, nos dias 29 e 30 de setembro de 2015, no c ampus Manguinhos da Fiocruz, que fica na Av. Brasil, 4.365 – Pavilhão Haity Moussatché, Rio de Janeiro.

Por Icict/Fiocruz | 24/09/15 - 15:09 | [Leia Mais] |

Por que a solidão é um problema de saúde pública?

São crescentes as evidências em torno do complexo desafio de acabar com a solidão. Na Inglaterra, o assunto é tratado com seriedade, pois além das medidas propostas pelo governo, há também uma campanha pelo fim da solidão onde o público-alvo são os idosos. Ressalta-se que mais da metade dos idosos com 75 ou mais idade vivem sozinhos. Dados apontam que de 6% a 13% dos ingleses com idade superior a 65 anos dizem se sentir sempre muito solitários. Em relação às redes sociais, apenas 7% dos idosos dizem ter contato com a família, amigos e vizinhos menos de uma vez por semana, e 11% entram em contato com eles menos de uma vez por mês. Saber que as relações sociais interferem na duração de uma hospitalização e/ou no desenvolvimento e progressão de várias doenças é particularmente relevante para a saúde pública e para a prática clínica.

Por Gabriela Lamarca e Mario Vettore | 16/09/15 - 14:09 | [Leia Mais] |