Devemos lutar pelas pessoas pobres que estão pagando pela crise do capitalismo

Por David Sanders, intervenção na CMDSS

11/11/11 | 16:11

Intervenção de David Sanders durante a CMDSS.

English original version: click here

Quero me concentrar nas mães e crianças em particular. Há uma lacuna inaceitável entre ricos e pobres. Uma mulher em um país pobre tem uma em cada dez chances de morrer no parto. Um total de 35% das mortes de crianças no mundo são devidas à desnutrição.

O que estamos fazendo sobre isso? Muito pouco. O comércio não é, infelizmente, mencionado na Declaração do Rio. A subnutrição está relacionada com acordos de livre comércio. Países do norte subsidiam sua agricultura e alimentos à exportação para países pobres, inundando seus mercados. Por exemplo, o Japão subsidia a sua indústria de laticínios, no montante de US$ 2, 600 por ano por vaca. Por que uma vaca japonesa desfruta de uma “renda” anual cinco vezes maior do que a de um cidadão Africano que ganha em média US$ 500 por ano? E isso leva à insegurança alimentar. Por que não estamos falando sobre essas coisas?

O que a UNICEF está fazendo sobre isso? Ela está transportando Plumpy’nut da França para a África para tratar a desnutrição. Isto medicaliza o problema e desvia a atenção do fato de que os países Africanos importam alimentos e vendem terras a empresas transnacionais de alimentos. Etiópia, o maior receptor de Plumpy’nut, também recebe 700 mil toneladas de ajuda alimentar por ano. E acaba de vender 3 milhões de hectares de terra privilegiada para uma corporação transnacional de alimentos.

Este é o contexto do problema e não o estamos abordando. No caso das doenças não transmissíveis, uma vez mais o comércio é a questão. África do Sul é o país mais gordo do terceiro no mundo, e a importação e produção de produtos alimentares transformados, e de soro de leite, um ingrediente de snacks, subiu exponencialmente. Como vamos controlar a desnutrição sem regular o comércio?

Além disso, não há nenhuma referência na Declaração do Rio para o comércio desleal de pessoal de saúde. África e Ásia foram esvaziados de pessoal de saúde e isso é que é um comércio muito desigual, contribuindo para um aumento da mortalidade materna, entre outras coisas, uma vez que profissionais de saúde qualificados são essenciais para reduzir essa tragédia. Estimou-se há vários anos pela UNCTAD (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento) que os EUA economizam US $ 184 mil em custos de treinamento para cada profissional importado. No total isso se traduz em centenas de bilhões de dólares. Novamente aqui é o Sul subsidiando Norte. Precisamos de compensação para o que os ministros Africanos de saúde há alguns anos atrás chamaram de roubo de cérebros – e não um código voluntário, como o presente código da OMS sobre recrutamento, que não tem quem force sua aplicação.

Eu também sou membro do Movimento de Saúde dos Povos (People’s Health Movement), um movimento global ativo em cerca de 70 países, com várias organizações filiadas. Nós temos uma posição no PHM de apoio incondicional, mas crítico às agências da ONU. Embora sejam imperfeitos, eles representam os pontos de vista dos Estados membros. No entanto, eles foram enfraquecidos substancialmente porque os países não os financiam como deveriam. Eles também devem ser reforçados e devem ser mais ousados. Mas iniciativas privadas como a Fundação Gates são grandes financiadores e em grande medida estão influenciando essas agências.

Como Bob Dylan disse, o dinheiro não fala, ele jura. Precisamos falar sobre a crise financeira, uma crise alimentar e uma crise climática (e o clima não é mencionado na Declaração do Rio). A crise financeira é uma crise do capitalismo. Há uma declaração de Rio alternativa elaborada pela sociedade civil, com dez exigências muito claras, incluindo um imposto Tobin. Por que não são as agências das Nações Unidas que pedem isso? Não se trata de algo radical, é um imposto sobre a economia de cassino. Neste momento as pessoas pobres em todos os lugares, inclusive no Sul da Europa, estão pagando pela crise. Devemos lutar por eles.

* Foto do site: http://www.wphna.org/

Referência Bibliográfica

WCSDH, SDH AND THE LIFE COURSE part 1 [vídeo]. [acesso em 11 nov 2011]. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=7W4a0gR5UoY

 

Citação Bibliográfica

Sanders D. Devemos lutar pelas pessoas pobres que estão pagando pela crise do capitalismo [Internet]. Rio de Janeiro: Portal DSS Brasil; 2011 Nov 11. Disponível em: http://cmdss2011.org/site/?post_type=opinioes&p=6789&preview=true

David Sanders, intervenção na CMDSS

David Sanders é professor e diretor fundador da Escola de Saúde Pública da Universidade de Western Cape, África do Sul. Ele é membro fundador e integra o Conselho Global Coordenador do Steering do Movimento de Saúde dos Povos (PHM). Atualmente é presidente do HPM da África do Sul.

1 Comentário em “ Devemos lutar pelas pessoas pobres que estão pagando pela crise do capitalismo ”

  1. manoel
    06/01/12 - 22:01

    Sim devemos lutar pelas pessoas, porque são os pobres que pagam os impostos em dia, devemos olhar os pobres e solucionar os problemas deles, porque sem os pobres o nosso país seria inconcebível de crescer.

Deixe um comentário