Iniquidades sociais e a Epidemiologia do Curso de Vida: uma perspectiva que está para além das doenças crônicas

Por Mario Vianna Vettore e Gabriela Lamarca

01/11/12 | 11:11

Epidemiologia do curso de vida considera eventos perinatais/ Imagem: Fiocruz

Os estudos sobre o papel das iniquidades sociais em saúde não é recente. Desde o início do século XIX diferentes paradigmas vêm sendo empregados nos estudos dos determinantes da saúde (Susser & Susser, 1996). Na primeira metade do século XIX predominou a teoria miasmática a partir das observações das distribuições geográficas de doenças e óbitos e sua correlação com as más condições de vida, o que promoveu a introdução e expansão do saneamento do esgoto e da provisão de água encanada.  Do final do século XIX até o início do século XX a teoria dos germes foi dominante e marcada pelos avanços laboratoriais de identificação de microrganismos e experimentos que promoveram o desenvolvimento de medicamentos e vacinas. A transição epidemiológica e o crescimento das doenças crônicas fez com que no final do século XX surgisse o paradigma da “Caixa Preta”, que era pautado na identificação e no controle de fatores de risco individuais comportamentais, tais como dieta inadequada, inatividade física e tabagismo, mas não considera determinantes sociais distais.

Os paradigmas que dominaram o estudo dos determinantes das doenças no século XX foram criticados em função do seu caráter reducionista. Surgiu então uma nova proposta, o paradigma da Eco-epidemiologia, que passou a sugerir que os determinantes das doenças estão estruturados em diferentes níveis hierárquicos ou sistemas: individual, comunidades locais, cidades e sociedades. Além disso, o modelo eco-epidemiológico considera a interrelação entre fatores genéticos e ambientais, além da análise de exposições a diferentes fatores de risco ao longo da vida, incluindo os determinantes sociais da saúde, que foi denominada de epidemiologia do curso de vida (Kuh & Ben-Shlomo, 2004).

Além do estudo dos tradicionais fatores de risco comportamentais, a epidemiologia do curso de vida considera eventos perinatais (Ex. antropometria ao nascer) e os determinantes sociais (Ex. posição socioeconômica), delimitando hierarquicamente seus componentes e suas possíveis interações. A aplicação da epidemiologia do curso de vida nos estudos sobre os determinantes sociais da saúde é bem sólida para as doenças crônicas (Lynch & Smith, 2005). A primeira evidência sugeria que as condições de vida adversas no início da vida induziriam ao aumento nos níveis de colesterol ao longo da vida e posterior desenvolvimento de doenças cardíacas. Outra correlação encontrada foi entre a extrema pobreza na infância com o aumento da susceptibilidade para câncer de pulmão devido ao maior consumo de cigarro ao longo da vida pelos indivíduos de pior posição socioeconômica (Forsdahl, 1977). Além disso, a desnutrição materna devido à pobreza potencialmente afetaria o desenvolvimento fetal comprometendo o seu adequado crescimento e aumentaria o risco para doenças cardiovasculares, diabetes e doenças respiratórias na vida adulta. A restrição de nutrientes em períodos críticos no início da vida levaria, por exemplo, à adaptação e consequente reprogramação da pressão arterial e do metabolismo do colesterol e da glicose (Baker, 1998).

Estudos sobre iniquidades sociais e a epidemiologia do curso de vida também foram desenvolvidos na área da saúde bucal. Achados revelaram que as condições sociais desfavoráveis das famílias no início da vida foram preditores para a ocorrência de cárie em crianças e trauma dentário em adolescentes (Nicolau et al., 2007).

Existe uma ampla evidência de que certas doenças crônicas se originam durante a vida fetal e nos primeiros anos de vida. Vários estudos têm sugerido que o baixo peso ao nascer e a prematuridade podem estar associados a doenças cardiovasculares e diabetes. No entanto, o risco biológico relativo ao nascimento de baixo peso e/ou pré-termo tem sido considerado uma condição adversa ao desenvolvimento infantil, com implicações para domínios diversos, dentre eles o cognitivo, comportamental e emocional (Rodrigues et al.,2011), incluindo doenças mentais como a  depressão infantil em crianças em idade escolar. A evidência mais recente sobre o papel das iniquidades sociais no curso de vida é o estudo brasileiro publicado por Pereira e colaboradores no periódico BCM Public Health. Nesse estudo longitudinal, pesquisadores de Ribeirão Preto (SP) e São Luís (MA) analisaram diferentes exposições biológicas e condições sociais da família na época do nascimento e a ocorrência de sintomas de depressão em crianças.

Pereira e colaboradores revelaram que em Ribeirão Preto a prevalência de sintomas depressivos em crianças de 10 a 11 anos foi maior entre aquelas que tiveram baixo peso ao nascimento (<2500 g) em comparação com as de peso normal ao nascer. Em São Luís, não houve associação entre o baixo peso ao nascer e a presença de sintomas depressivos nas crianças de 7 a 9 anos de idade. Os autores explicaram que essa diferença pode ser devida à mortalidade no primeiro ano de vida, que foi maior em São Luís do que em Ribeirão Preto.

A pior situação socioeconômica avaliada com base na escolaridade materna e ocupação do chefe de família foi um importante preditor da presença de sintomas depressivos em crianças em ambas as cidades. Enquanto em São Luís a pior qualificação ocupacional e o desemprego do chefe da família foram identificados como fatores de risco para sintomas de depressão em crianças, em Ribeirão Preto a baixa escolaridade materna na época do nascimento aumentou o risco para a depressão dos filhos. Quanto menor o nível de escolaridade dos pais, piores são as condições físicas e emocionais para o desenvolvimento e a estimulação da criança. Quando os pais têm menos acesso à informação, interagem mal com seus filhos. Esses achados sugerem que ambientes sociais desfavorecidos podem ter efeitos adversos sobre a saúde mental por causa de seus efeitos sobre o desenvolvimento psicológico.

A relevância deste trabalho reside na possibilidade de planejamento e avaliação de programas de intervenção em saúde mental para populações identificadas como expostas a riscos, como a de crianças com baixo peso ao nascer. Além disso, a possibilidade do emprego do modelo de curso de vida para o estudo dos determinantes sociais em saúde, não apenas para as doenças crônicas, pode ser compreendido como um importante avanço em função da elevada prevalência de doenças mentais e doenças infecciosas entre os grupos populacionais que vivem sob condições de desigualdade social.

Referências Bibliográficas

 

Barker DJP. Mother, babies and health in later life. 2nd ed. Edinburgh: Churchill Livingstone; 1998.

Forsdahl A. Are poor living conditions in childhood and adolescence an importante risk fator for arteriosclerotic heart disease? Br J Prev Soc Med [periódico na internet]. 1977 Jun [acesso em 21 set 2012];31(2):91-5. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC479002/pdf/brjprevsmed00026-0025.pdf

Kuh D, Ben-Shlomo Y. A life course approach to chronic disease epidemiology. 2nd ed. Oxford: Oxford University Press; 2004.

Lynch J, Smith GD. A life course approach to chronic disease epidemiology. Annu Rev Public Health. 2005; 26:1-35.

Nicolau B, Thomson WM, Steele JG, Allison PJ. Life-course epidemiology: concepts and theoretical models and its relevance to chronic oral conditions. Community Dent Oral Epidemiol. 2007 Aug;35(4):241-9.

Pereira TS, Silva AA, Alves MT, Simoes VM, Batista RF, Rodriguez JD, Figueiredo FP, Lamy-Filho F, Barbieri MA, Bettiol H. Perinatal and early life factors associated with symptoms of depression in Brazilian children. BMC Public Health [periódico na internet]. 2012 Aug 3 [acesso em 21 set 2012];12(1):605. [Epub ahead of print] PubMed PMID: 22863172.

Rodrigues CM, Saur AM, Osório FL, Loureiro SR. Depressão Infantil e suas associações ao peso a nascer. Universidade de São Paulo. [s.d.]. [acesso em 21 set 2012]. Disponível em: http://www.ibapnet.org.br/congresso2011/trabalhos/Resumo_painel2_IBAP.pdf

Susser M, Susser E. Choosing a future for epidemiology: II. From black box to Chinese boxes and eco- epidemiology. Am J Public Health [periódico na internet]. 1996 May [acesso em 21 set 2012];86(5):674-7. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1380475/pdf/amjph00516-0068.pdf

Citação Bibliográfica

Vettore M, Lamarca G. Iniquidades sociais e a Epidemiologia do Curso de Vida: uma perspectiva que está para além das doenças crônicas [Internet]. Rio de Janeiro: Portal DSS Brasil; 2012 Nov 01. Disponível em: http://dssbr.org/site/?post_type=opinioes&p=11471&preview=true

Mario Vianna Vettore e Gabriela Lamarca

Mario Vianna Vettore. Odontólogo, Mestre em Odontologia, Doutor em Saúde Pública.
Gabriela de A. Lamarca. Odontóloga, Mestre em Psicologia Social, Doutora em Epidemiologia em Saúde Pública.

Deixe um comentário