Publicações do DSS-BR

Sem título

“Precisamos olhar a interface gênero, classe e raça para apurar as políticas públicas”

Doutor em Sociologia (Unesp), integrante do GT Racismo e Saúde da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), líder dos grupos de pesquisa “Saúde da População Negra e Indígena” (Instituto de Saúde) e “Educação, Territórios Negros e Saúde” (UFSCar), Luís Eduardo Batista é o entrevistado do mês de fevereiro do Observatório de Análise Política em Saúde (OAPS). O pesquisador coordenou a área técnica Saúde da População Negra da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo durante oito anos e desenvolve estudos sobre temas como impactos do racismo na saúde e desigualdades raciais e saúde. Em conversa com nossa equipe, Luís Eduardo fala sobre a implementação da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra, avanços e fragilidades da inclusão do debate sobre racismo e saúde nos eixos ensino-pesquisa-extensão, o acirramento dos ataques às políticas afirmativas e as perspectivas de defesa das políticas voltadas para redução de iniquidades.

Por Inês Costal e Patrícia Conceição | 25/02/19 - 13:02 | [Leia Mais] |

Capturar

Atualização em Monitoramento e Avaliação do Sistema de Saúde: inscrições abertas

O Icict está oferecendo, para profissionais de nível superior do Ministério da Saúde e das Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde que atuam nas áreas de planejamento, monitoramento e avaliação do SUS, o curso de atualização em Monitoramento e Avaliação do Sistema de Saúde (segundo a Metodologia do PROADESS – Projeto de Avaliação do Desempenho do Sistema de Saúde). O curso dispõe de 20 vagas e tem por objetivo “familiarizar os gestores com o modelo conceitual de avaliação do sistema de saúde utilizado no PROADESS e incentivar a capacitação do planejamento e gestão dos serviços de saúde considerando os princípios de universalização, equidade, integralidade, descentralização e participação popular do SUS”. Além disso, o curso quer aprimorar as ferramentas do PROADESS para subsidiar a gestão, a partir da troca de experiências dos gestores.

Por Graça Portela | 20/02/19 - 15:02 | [Leia Mais] |

Violência e saúde: jovens são os mais atingidos pela falta de segurança

O Seminário Internacional Contribuições da abordagem da Saúde Pública para a preservação da violência: diálogos entre Brasil e Reino Unido reuniu pesquisadores das áreas da Saúde e Segurança para discutir estratégias de prevenção da violência com base em conceitos globais, políticas públicas e setoriais. Promovido pelo Centro Latino-Americano de Estudos da Violência e Saúde Jorge Careli, da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Claves/ENSP/Fiocruz), em parceria com o Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), o evento contou com a participação da pesquisadora do Claves, Kathie Njaine, do professor da Universidade de Abertay, William Graham, e do professor da Universidade de Dundee, Fernando Fernandes. A pesquisadora do IOC, Fátima Cecchetto, atentou para dados que comprovam serem os jovens os maiores atingidos pela falta de segurança.

Por Edigley Duarte da Costa e Mariane Souza de Freitas* | 19/02/19 - 16:02 | [Leia Mais] |

Sem título

Fiocruz apresenta estudos sobre os impactos imediatos do desastre em Brumadinhos

A Fiocruz divulgou, na terça-feira (5/2), um estudo que alerta para os impactos, causados à população, do desastre da mineradora Vale do Rio Doce em Brumadinho (MG). O estudo foi divulgado em um debate que contou com a presença dos pesquisadores responsáveis pelo trabalho. Entre os riscos estão a possibilidade de surtos de enfermidades, mudanças no bioma e agravamento de problemas crônicos de saúde, como hipertensão, diabetes e doenças mentais. A diretora da Fiocruz Minas, Zélia Profeta, enviou uma mensagem de áudio aos participantes do evento em que disse que “é fundamental fortalecer o Sistema Único de Saúde (SUS) para enfrentar essas situações”. Para o pesquisador do Observatório Nacional de Clima e Saúde do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz), Diego Xavier, desastres como o de Brumadinho podem ter efeitos que se estenderão por centenas de quilômetros do lugar de origem.

Por Ricardo Valverde | 08/02/19 - 14:02 | [Leia Mais] |

Sem título

Como e Por que as Desigualdades Fazem Mal à Saúde

Aliando praticidade a novos formatos literários, a Editora Fiocruz lançou seu segundo e-book interativo: Como e Por Que as Desigualdades Sociais Fazem Mal à Saúde. O livro de autoria de Rita Barradas Barata, que teve sua primeira edição impressa em 2009, apresenta breves considerações teóricas sobre a temática das desigualdades sociais em saúde, apontando correntes e tendências existentes na pesquisa epidemiológica sobre o assunto. A nova versão interativa, com edição de conteúdo de Maria Fernanda Marques Fernandes, Phelipe Gasiglia e Vanessa Freitas, diferentemente da mera transformação de impresso para digital, aproveita as possibilidades do meio virtual e se utiliza de vídeos, áudios, galerias de fotos, infográficos e outros recursos que ora complementam, ora substituem partes do texto original, criando um novo formato de interação com o livro. “O objetivo foi criar um produto realmente diferenciado e atraente, para que mais pessoas pudessem se sentir interessadas pela leitura”, explica o diretor-executivo da Editora Fiocruz, João Canossa.

Por Erika Farias* | 01/02/19 - 14:02 | [Leia Mais] |

EncontroSaude_home-Licia

Especialistas discutem novos indicadores para pesquisas de saúde do IBGE

O IBGE, o Ministério da Saúde e a Universidade Federal de Minas Gerais organizaram o I Seminário Internacional de Inquéritos Populacionais de Saúde, no Rio de Janeiro, entre os dias 12 e 14 de dezembro. Cerca de 50 especialistas de institutos de pesquisa e de universidades nacionais e estrangeiras foram convidados para discutir novos indicadores para a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) e a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), que vão a campo no ano que vem e com divulgação prevista para 2020. Para as próximas edições dessas pesquisas, o IBGE planeja ampliar os indicadores e abordar temas como violência contra mulheres e menores de idade, além da saúde reprodutiva, do idoso e do deficiente. As últimas edições da PNS e da PeNSE, divulgadas, respectivamente, em 2013 e 2015, trouxeram dados sobre hipertensão, diabetes, sedentarismo, tabagismo, uso nocivo de álcool e saúde da mulher.

Por João Neto | 18/12/18 - 18:12 | [Leia Mais] |

Pobreza aumenta e atinge 54,8 milhões de pessoas em 2017

O país tinha 54,8 milhões de pessoas que viviam com menos de R$ 406 por mês em 2017, dois milhões a mais que em 2016. Isso significa que a proporção […]

Por Pedro Renaux | 06/12/18 - 15:12 | [Leia Mais] |