Posts marcados como " Desigualdade Social "

ca

Agenda 2030: “Sem o SUS, não há desenvolvimento sustentável”

Nesta entrevista, o economista Carlos Gadelha, coordenador das Ações de Prospecção da Fiocruz, analisa o contexto global e nacional e afirma: “O Sistema Único de Saúde (SUS) e o Complexo Econômico e Industrial da Saúde (CEIS) são as pré-condições – ou as únicas oportunidades – para que o Brasil atinja os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável até 2030. Eles não são problemas para o país. São parte indispensável da solução. Sem o SUS, não há desenvolvimento sustentável”. O pesquisador do Grupo de Inovação em Saúde da Fiocruz participa do primeiro painel de debates, “Desenvolvimento e Sustentabilidade”. A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável se constitui a partir de um conjunto de princípios aspiracionais, de valores globais que devemos perseguir enquanto humanidade. Ela propõe um modelo de desenvolvimento economicamente dinâmico, socialmente justo e que respeite as condições ambientais.

Entrevista com Carlos Gadelha | 15/09/17 - 15:09 | [Leia Mais] |

Cecilia

Revista Ciência & Saúde Coletiva e ENSP debatem sobre vulnerabilidade

Até o fim de 2017, segundo estudo do Banco Mundial, mais de 3,6 milhões de brasileiros estarão vivendo com menos de R$ 1,00 por dia, juntando no mesmo cesto da pobreza-extrema histórias de vida de homens e mulheres e crianças marcadas pela carência absoluta e unidas pela vulnerabilidade de suas condições de vida. As formas como os conhecimentos da Saúde Coletiva devem promover ações para a mitigação dessa situação exige que se olhe estas mulheres, crianças e homens de frente, com novas concepções sobre as formas de trabalho e formação. Estes foram alguns dos conceitos transmitidos por José Ricardo Ayres, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM/USP) e convidado do Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcelos (CEENSP), da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz), organizado conjuntamente com a revista Ciência & Saúde Coletiva como atividade de divulgação do número temático Política pública e papel institucional do Ministério da Saúde no Brasil (Ciênc. saúde coletiva – vol. 22 nº 5 – maio de 2017).

Por Bruno C. Dias | 05/09/17 - 13:09 | [Leia Mais] | 1 Comentário »

Atlas

Ipea apresenta dados de vulnerabilidade social por cor, sexo e domicílio

De 2011 a 2015, o Brasil manteve tendência de redução da vulnerabilidade social, mas em velocidade inferior à observada no período entre 2000 e 2010. Ao analisar os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), entre 2011 e 2015, a taxa média anual de redução foi de 1,7%, ao passo que entre 2000 e 2010, com dados do Censo Demográfico, essa taxa era de 2,7% ao ano. Esse é um dos destaques do lançamento da nova plataforma do Atlas da Vulnerabilidade Social, ocorrido na sede do Ipea, em Brasília, nesta quarta-feira, 23/08. “É importante ressaltar que continuamos num processo de avanço na redução da desigualdade na dimensão Capital Humano, ligada à educação e à formação da família”, explica Marco Aurélio Costa, técnico de planejamento e pesquisa do Ipea e coordenador do estudo. Foram divulgados dados de 2011 a 2015, com base em informações da Pnad, além da desagregação desses dados por sexo, cor e situação de domicílio para o período e também para 2000 e 2010 – com base no Censo Demográfico (IBGE).

Por Ipea – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada | 25/08/17 - 18:08 | [Leia Mais] |

Como a atenção primária pode reduzir a desigualdade racial

O índice de mortalidade por condições sensíveis à atenção primária (mortes evitáveis) é entre 17% e 23% maior em brasileiros que se autodeclaram negros ou pardos. Entretanto, a expansão da atenção primária possui um papel importante na redução de iniquidades sociais em saúde e pode ajudar a reverter estes números. Estes são alguns dos resultados apontados no estudo Association between expansion of primary healthcare and racial inequalities in mortality amenable to primary care in Brazil: a national longitudinal analysis, publicado no periódico científico de acesso aberto PLoS Medicine.
Ao analisar o impacto da expansão do programa Estratégia de Saúde da Família (ESF) no período de 2000 a 2013, os pesquisadores identificaram uma redução duas vezes maior na mortalidade evitável nas populações autodeclaradas negras ou pardas quando comparada com populações brancas. Ainda que a expansão da ESF tenha sido associada a uma redução de 6,8% na mortalidade por Condições Sensíveis à Atenção Primária entre pessoas brancas, a redução entre negros e pardos foi de 15,4%.

Por Região e Redes | 22/08/17 - 16:08 | [Leia Mais] |

Curso à distância sobre Acesso à Saúde: Informação, Comunicação e Equidade

Em parceria com o Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal Fluminense (ISC/UFF), o Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict), da Fiocruz, está lançando um […]

Por | 22/08/17 - 14:08 | [Leia Mais] |

obje

Série: Implementação da Agenda 2030 e dos ODS: Perspectivas no Brasil (5)

O Brasil é um dos países mais desiguais do mundo segundo o Relatório Global de Desenvolvimento Humano de 2016 do PNUD, pois ocupa a 10ª posição no ranking da desigualdade (medida pelo coeficiente de Gini), de um conjunto de 143 países. Reconhecer e combater esta desigualdade é um desafio complexo e permanente para a sociedade brasileira. Um recente informe publicado pelo PNUD, IPEA e Fundação João Pinheiro, no âmbito do Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, traz a desagregação do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM), e outros 170 dados socioeconômicos, por cor, sexo e situação de domicílio que pode ser acessado na plataforma do Atlas Brasil. Os territórios contemplados abrangem o Brasil, todas as Unidades da Federação, 20 Regiões Metropolitanas e 111 municípios, para os anos censitários de 2000 e 2010. Mudanças positivas no desenvolvimento humano do país foram apontadas em sucessivos relatórios e analisadas em edições do referido Atlas (1998, 2003 e 2013).

Por Prof. Paulo M. Buss | 17/08/17 - 14:08 | [Leia Mais] |

Sem título

Desigualdade sem fim

Ao mesmo tempo em que celebra suas ricas diferenças culturais e sociais, o Brasil carrega traços de uma desigualdade regional profunda. O brasileiro da região Centro-sul vive uma realidade socioeconômica muito distinta de quem vive, por exemplo, às margens do Rio São Francisco ou na Amazônia. As diferenças no acesso a bens públicos, infraestrutura e investimentos são alguns dos fatores que evidenciam a necessidade de uma estratégia de políticas de longo prazo. Para avivar essa discussão, Região e Redes entrevistou o pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Aristides Monteiro Neto, que organizou o livro Desenvolvimento Regional no Brasil: Políticas, estratégias e perspectivas. O livro procurou realizar, para o período 2000-2014, um balanço de experiências, soluções e novos problemas afetos à dimensão regional do desenvolvimento brasileiro. Esta data tem a ver com a disponibilidade de dados e informações estatísticas (por exemplo, os PIB estaduais de 2014 somente foram estimados em fins de 2016) e com o fim de um ciclo de governo.

Entrevista com Aristides Monteiro Neto | 09/08/17 - 15:08 | [Leia Mais] |