A saude na agenda de desenvolvimento pos 2015

0
Rate this post

Observatório Italiano de Saúde Global

A comunidade internacional é chamada a definir o estabelecimento dos novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). O que fazer para que este passo decisivo possa evitar os erros cometidos no passado?

Definir a agenda pós-2015 é, sem dúvida, um desafio exigente. Mas é também uma oportunidade irrepetível de salto conceitual e operacional, em nome de políticas capazes de enfrentar a realidade, no sul e no norte do planeta.

Quando em 2000, 189 países adotaram a

Declaração do Milênio que lançou as bases e o compromisso para a realização dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, a ideia de focar as intervenções em um número limitado de condições e doenças foi considerada a estratégia certa para melhorar o estado de saúde. saúde da população mundial, principalmente das áreas mais pobres do planeta.

  • Essa estratégia correspondia ao modo típico da época da globalização, desde o início, o dos “programas verticais”.
  • Alguns resultados foram obtidos, mas ainda estamos longe dos objetivos fixados em 2000, em particular na
  • África Subsaariana que, ao contrário de outras áreas do mundo, também fica para trás no primeiro objetivo, o de reduzir a porcentagem da população vivendo em condições de extrema pobreza (56% em 1990, 48% em 2010).

Essa atenção seletiva a certas categorias de intervenções exacerbou a fragmentação dos sistemas de saúde, já em estado de colapso devido à pobreza de recursos, privatizações e fuga do pessoal mais qualificado.

Quando em 2015 a ONU for chamada a estabelecer metas de desenvolvimento para os próximos anos, terá que levar em conta tudo isso e também o surgimento de novos problemas globais de saúde, como a epidemia de doenças crônicas e as mudanças climáticas.

De fato, grupos de especialistas e representantes da sociedade civil [a, b] em nome das Nações Unidas já estão trabalhando em uma agenda que terá o desenvolvimento sustentável como princípio fundamental, de acordo com as conclusões da conferência Rio + 20 [c ] realizada no.

Brasil em junho de 2012, com suas sete prioridades: geração de empregos, segurança alimentar, água, energia, cidades sustentáveis, oceanos e prevenção de desastres [d]. Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs) se transformarão em Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Curadoria de Gavino Maciocco

Referências para. O Relatório do Painel de Alto Nível de Pessoas Eminentes sobre a Agenda de Desenvolvimento Pós-2015. Uma nova parceria global: erradicar a pobreza e transformar economias por meio do desenvolvimento sustentável, Nações Unidas, 2013.

Abaixo relatamos sobre o assunto a contribuição do Observatório Italiano de Saúde Global.

O semestre italiano da presidência da União Europeia (UE) ocorre em um momento estratégico da negociação que determinará a agenda global de desenvolvimento após 2015. a comunidade internacional é chamada a definir em setembro, em Nova York, o estabelecimento dos novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Curadoria de Gavino MacioccoO que fazer para que este passo decisivo da comunidade internacional evite os erros cometidos no passado? E como evitar que os ODS sejam apenas a reiteração de um caminho intergovernamental ferido pelas dificuldades do multilateralismo?

Os ODM, que também deram início a uma onda de comprometimento sem precedentes por parte da comunidade internacional, tiveram algumas limitações.

Entre os reconhecidos, a setorialidade estrutural imposta pelos rígidos critérios de medição (sem, no entanto, a possibilidade de medir a confiabilidade dos dados em cada país), o status regulatório que é o mesmo para todos os países, mas não vinculativo (norma branda), e institucionalização do papel das parcerias público-privadas na agenda do desenvolvimento.

Hoje, a mobilização que os ODMs produziram precisa de uma profunda revisão para que os desafios de um planeta sobrecarregado por sete anos de contração financeira e econômica global, a crise climática e ambiental, o aumento das desigualdades sejam enfrentados adequadamente. dentro dos mesmos países e pela escalada de guerras e conflitos. Cenários que, entre outras coisas, alteraram significativamente as regras da democracia e da governança global.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui